wrapper

 

 

Thamiris Xavier, 18 anos, iniciou sua vida profissional como aprendiz do PET na empresa JLemara, referência no ramo imobiliário de Belo Horizonte, onde foi efetivada como funcionária no cargo de analista de documentação e despachante imobiliário

 

Por Andressa Guimarães

 

Quanto tempo ficou como aprendiz? Que idade tinha?

 

Minha trajetória como aprendiz do PET iniciou-se em junho de 2018. Eu tinha 17 anos e minha carga horária era de 6 horas por dia, num contrato de 11 meses, no qual eu fiquei até o final, sendo efetivada pela empresa após o término do programa de aprendizagem.

 

Como foi a sua experiência como aprendiz do Programa Educação e Trabalho (PET)?
 
Minha experiência como aprendiz foi excelente! Através do PET, ingressei no mercado de trabalho, numa empresa que é referência no ramo imobiliário, onde fui muito bem acolhida por profissionais aptos a me ajudar e transmitir seus conhecimentos, o que foi fundamental para eu adquirir diversas habilidades, maturidade e meu desenvolvimento interpessoal.
 
Como era a sua vida antes de ser aprendiz do PET? Porque você escolheu ser aprendiz?
 
Nunca gostei de depender da minha mãe para fazer minhas coisas e, diante de todo esforço dela que eu sempre presenciei para poder proporcionar a mim e meus irmãos uma boa criação, me sentia na obrigação de também arrumar um emprego para ajudá-la, já que todos em minha casa começaram a trabalhar cedo em busca de sua independência financeira. Quando fiz a inscrição no PET, estava no 3º ano do Ensino Médio, alguns colegas de classe já haviam sido contratados e me deram ótimas referências do programa. E, como eu já estava à procura de um emprego, torci para que eu fosse chamada e depois de alguns meses, recebi a tão esperada ligação.

Quais oportunidades o PET te proporcionou?
 
Por meio do programa, consegui o meu primeiro emprego, onde eu entrei como auxiliar administrativo, fazendo a parte do setor de documentação da empresa e hoje posso dizer que tenho uma profissão! Sou analista de documentação e despachante imobiliário. 
 
Quando um adolescente ingressa no mundo do trabalho, muitas mudanças acontecem. Você passou por alguma que te marcou?
 
Quando eu ainda não trabalhava, minha única obrigação era cumprir com meus deveres escolares. A partir do momento que começamos a trabalhar, as responsabilidades que precisamos criar, visando as obrigações que nós temos no ambiente corporativo são bem diferentes, pois qualquer falha pode vir a afetar diretamente ou indiretamente na vida de um terceiro. O que mais impactou na minha vida, a partir do momento que ingressei no mundo do trabalho, foi a dificuldade de conciliar escola e emprego, e eu tive que aprender a dividir o meu tempo, para conseguir realizar as duas coisas com êxito.
 
Que aprendizado você pôde obter das suas experiências no PET e utilizar no atual emprego?
Posso dizer que o aprendizado no PET se inicia antes mesmo de sermos contratados, na “Oficina Introdutória ao Mercado de Trabalho”, com duração de uma semana que faz parte do processo de seleção para o programa. Nessa oficina, aprendi diversas coisas que estão presentes no meu dia a dia, no ambiente corporativo, e que irei levar para toda minha vida.
Dentro da carga horária de aprendiz, tínhamos cursos uma ou duas vezes por semana, nos quais eram abordados temas como: matemática financeira, oratória, marketing, empreendedorismo, informática, etc., assuntos de extrema importância e utilidade na nossa vida profissional. Aprendi a administrar meu dinheiro, como falar em público e me expressar de forma eficaz, dicas de como ter o nosso próprio negócio e, o que foi mais significativo para mim, o curso de informática, no qual aprendi mexer no Excel, que para mim era um “bicho de sete cabeças” e hoje está presente em quase tudo que eu faço na empresa.
 
 
Como tem sido a sensação / experiência de ter sido contratada pela empresa onde fez a aprendizagem?
 
É muito gratificante ser efetivada pela empresa onde realizei a aprendizagem, uma sensação de que estou no caminho certo! Apresentar resultados significativos para o grupo, é melhor ainda. Oito meses após minha contratação efetiva, me esforço sempre para fazer meu serviço com excelência, contribuir com o melhor desempenho anual da história da empresa no setor que integro. E se hoje eu posso dar um conselho para quem está em busca do primeiro emprego é: nunca desanime perante as reprovações que existirão na sua caminhada e se esforce ao máximo pois “o único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho, é no dicionário."
Last modified on Quarta, 29 Janeiro 2020

Conheça a Fundação CDL

A História da Fundação CDL Pró-Criança começou em 1986, com a iniciativa de empresários do comércio, ligados à CDL/BH que resolveram se mobilizar em torno dos problemas que afetavam a vida das crianças de Belo Horizonte.

A entidade cumpre sua missão de levar igualdade de oportunidades às pessoas e contribuir para a construção de um futuro melhor, fortalecendo e exercendo a cidadania.

FCDL News

Dê a um jovem o seu primeiro emprego!
15, 16 e 17 de setembro, a partir das 9 horas
Contrate estagiários por intermédio da Fundação ...